Translate

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Mesa redonda 9: Jour d´Hermes

  "O aroma da realeza: príncipes, princesas e perfumes." 
  O tema da mesa redonda de dezembro foi proposto pela querida Priscila Lini ,do blog Parfumée.
  Alguns perfumes poderiam ser atribuídos à realeza mas eu decidi eleger um aroma que me impressionou desde que o conheci. Um perfume da casa Hermés que, com toda sua tradição e qualidade, não decepcionou: Jour.
  Lançado no ano de 2013 e criação de Jean-Claude Ellena, Jour exala entre suas notas delicadas e de rara combinação um aroma superior, indiscutivelmente requintado. Ele traz uma mistura de caráter herbal que tangencia o conceito floral cítrico sem que se defina como um ou outro. 

  Sua pirâmide olfativa é a seguinte:

  • notas de saída: toranja, limão e notas aquáticas
  • notas de coração: notas verdes, flores brancas, gardênia e sweet pea
  • notas de base:almíscar e notas amadeiradas

  É nesse conjunto elegante de componentes que a fragrância revela aos poucos, durante sua evolução, uma faceta inesperada, levemente pesada e até mesmo empoeirada, que remete a cheiro de bolor e umidade. Nada contra, adoro essa característica nos perfumes.
  A fixação é muito boa e a expansibilidade idem. Creio que a fragrância passe uma mensagem de suavidade, mas na verdade este é um perfume intenso, focado bastante nas notas verdes e que deve ser usado com parcimônia para que a sinfonia equilibrada de suas notas possa ser apreciada com o cuidado que merece ser dispensado a ele.
  Assim, o refinamento deste aroma parece estar ligado a atmosferas frias, quase geladas,que remetem a musgos vivendo sob um céu cinzento. Para altas latitudes, Jour é mais que taiga, é quase tundra.




                                            Jour

                           Dagmar e Alexandre
                           Alexandra e Nicolau
                           Cinco herdeiros e um destino
                           Vida diamante, e morte de citrino

                           Nada parecia dar errado para a poderosa dinastia
                           O sangue eslavo dominava até o bruto alemão
                           Formando o amálgama da ortodoxa autocracia
                           Num bab´e leto* que nunca chegou a ser verão
                           
                            Todos sabiam que o maior tesouro da nobre corte 
                            Repousava nos genes de cada grã-duquesa
                            Olga, Tatiana, Maria e Anastásia
                            Encarnavam o puro odor da realeza

                            Algo assim como douradas folhas de bétula
                            Matizadas por líquens em frias notas d´água
                            Taiga verdejante de límpida floresta boreal
                            Sol da meia-noite em um frasco de cristal

                            E era entre pérolas e safiras que reinava a czarina
                            Sob um nevoeiro de almíscar e madeiras pesadas
                            Era o bafejo do terrível mago Rasputin
                            Que soprava do Rio Neva com suas águas geladas 

                            No palácio imperial a vida transcorria calma e serena
                            Até que a foice bolchevique feriu cada rosa do jardim
                            Era a Revolução Russa que impiedosa e violenta
                            Tingia de rubra a tão alva Rússia de marfim 
                               
                            As fúnebres flores brancas trouxeram um recado
                            Não havia saída nem ao norte nem ao sul
                            Pois o tempo de suas vidas sempre esteve marcado
                            No misterioso Relógio da serpente azul


bab´e leto: período curto de calor durante o outono russo, quando já devia estar fazendo frio. Veranico.
                                                               
  Jour d´Hermes é uma jóia e como tal poderia ser representado por outras jóias espetaculares, como os famosos ovos Fabergé, ricos por fora e por dentro, cuja tradição marcou a nobreza russa absolutista do século XIX e início do século XX, pertencentes à dinastia Romanov, e que alçaram o joalheiro Peter Carl Fabergé à fama perpétua. Nicolau II, mantendo a tradição paterna, encomendava dois ovos Fabergé por ano, uma para sua mãe e outro para sua esposa, Alexandra.
  E é justamente à peculiar nobreza russa Romanov que eu associei o aroma de Jour, com toda sua imponência e sofisticação mas que carrega no fundo de sua composição um toque sombrio e enigmático.
                                         
                                                     Família Romanov

                                                 Tatiana, Anastásia, Alexei, Maria e Olga Romanov
 A bela criança Marie Romanov.
Anastásia Romanov, quase uma lenda.
Palácio de Alexandre, residência oficial dos Romanov em São Petesburgo
O palácio de verão dos Romanov
Ovos Fabergé ( jóias da corte czarista). Este contém um relógio Vacheron Constantin em seu interior.
Ovo "Pedro, O grande"
Ovos "Senhora e Lírios", "Transiberiano" e "Palácio Gatchina"
 
                       
                     
                                                               O ovo "Relógio da serpente azul"
                                              

  Os blogs participantes da rodada desse mês de dezembro estão listados abaixo para que o leitor possa conhecer a visão de cada colega sobre o tema. Vale sempre a pena visitá-los!
  1. Beth do site "Perfume Bighouse"
  2. Carla do blog "Pimenta e Vanilla"
  3. Cris Bazoni do blog 'Odorataparfums"
  4. Cris Nobre do blog "Templo dos perfumes"
  5. Diana do blog "A louca dos perfumes"
  6. Priscila Lini do blog 'Parfumée"

21 comentários:

  1. A triste história dos Romanov... A decadência dos últimos monarcas (no meu post a Princesa Isabel personifica essa ruptura). As quatro irmãs OTMA Olga, Tatiana, Maria e Anastasia, fotografadas à exaustão, tão belas e cândidas as meninas. Imagine quantas riquezas se perderam na invasão do palácio, joias perdidas e saqueadas.
    Adorei a associação com o Jour, tem aquele fundo de "cheiro de casa vazia", o bolor que você menciona ali em cima, mas não uma casa, e sim um suntoso palácio, seu jardim florindo ao sabor das estações, sem os cuidados do jardineiro, as trepadeiras invadindo pelas janelas.
    A poesia está primorosa! Post lindo, como sempre
    Beijão, Lily!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Triste mesmo...Gostei do "OTMA" !! Nunca tinha ouvido essa, fácil de guardar. A pergunta que fica, apesar das últimas descobertas é se realmente uma não escapou...Não sei, esse mundo político é tão cheio de tramóias, planos, histórias fantásticas...
      Você entendeu perfeitamente a ligação do Jour com o aroma de ambientes vazios, frios. Isso aí. Bjus e obrigada pela ideia de um tema tão agradável!

      Excluir
  2. Nossa! Quanto luxo, quanta nobreza...
    Li recentemente o livro "Diário de um Perfumista", em que Jean-Claude Ellena conta suas experiências como nariz. O processo de criação é mágico. Fico imaginando no caso de um perfume como esse...
    Beijo, Li!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jean-Claude e suas criações etéreas...O livro deve ser ótimo, Cris, vou procurar! Da Hermés meus preferidos são Un Jardin en Mediterrane, Toit, 24 Fauborg EDP ( queroooooooooooo) e o Jour...

      Bjinhos

      Excluir
  3. A quem se interessar mais pelos Romanov no livro "O palácio de inverno - John Boyne" da pra ter mais contato com todo esse luxo ;)

    ResponderExcluir
  4. Lily que riqueza de imagens. Como eram lindas estas princesas Romanov. E todas perfumadíssimas! Agora é imperioso experimentar Jour. Adoro a maneira como Ellena se refere à perfumaria e suas criações.E sua poesia... Como vc é criativa menina! Beijocas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Beth. Uma família no mínimo curiosa. Foram todos canonizados pela Igreja Ortodoxa. E a figura de Rasputin é tenebrosa. Muito mistério nisso tudo, rs.
      Tem que conhecer o Jour, tenho certeza que saberá apreciar essa beleza!
      Bjus
      Li

      Excluir
  5. Querida Lily, saudades! Post belíssimo, fotos inspiradoras. Já estava ensaiando para comprar o Jour, agora você definitivamente me convenceu, rs.

    Um grande beijo e fique com Deus!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dani o un jour é a sua cara! vc amaria
      faz bem seu estilo, bjs

      Excluir
    2. Dani! Saudades também! Obrigada. Bom, pra você que não é fã de perfumes doces ou bombásticos, acho que Jour poderá agradar mas é bom experimentar antes porque ele engana, ele é bem forte! E no geral cheira xampu de ervas, bem delícia!
      Bjão e fique com Deus também!!

      Excluir
    3. Meninas, com certeza vou comprar! Cheiro de ervas é a minha perdição! Já virou minha obsessão! Beijos minhas lindas cheirosas!

      Excluir
  6. sou outra extremamente tentada a experimentar o jour!
    alias ja conheço
    fiquei tb tentada a falar dos romanov, mas a historia deles me deixa demasiado triste...e nao queria um post triste! bjs. adoravel como sempre

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Cris, eu quero um Jour pra mim...rs.
      O tema foi ótimo, dava pra escolher muita coisa. Eu pensei nas princesas de Mônaco mas elas vão figurar por aqui de qualquer maneira mesmo. Tenho que falar da Grace também.
      Bjss

      Excluir
  7. ai ai...lendo e relendo seu post! O poema está um dos melhores que vc ja fez Li. Muito significativo

    ResponderExcluir
  8. Linda resenha para um perfume tão amada e encantador. Parabéns querida.

    ResponderExcluir
  9. Querida Lily, fico encantada com seus poemas! Este, então, é maravilhoso!
    Por coincidência, na Wikipédia, cita que o perfume de Anastasia era o Violette da Coty. Não fui pesquisar mais para saber se é verdade, nem sei se o perfume é dessa época e a fonte nem sempre é segura, mas....vim aqui te contar essa curiosidade.
    Não conheço nenhum Hermes, fiquei só imaginando o aroma...
    Um grande abraço da
    Raquel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola, Raquel
      Muito obrigada...logo em breve prometo voltar a postar mais...Obrigada pela informacao sobre o perfume de violetas, adoro violetas puras numa fragrancia!
      Na realidade quando descrevo um perfume e escolho um personagem eu o faco atentando para a impressao que o aroma me passa, mesmo que o personagem, se verdadeiro, nao o usasse, como Cleopatra a quem atribui um aroma empoeirado de rosas mas que na verdade uisava oleo de jasmim...
      Os Hermes sao perfumes delicados e elegantes, Jour e uma delicia mas tente conhecer Un Jardin en Mediterrane, que cheira figo, minha paixao e Un Jardin sur le Toit, de rosas quentes mas limpas. Alem deles, 24 Fauborg EDP e um floral incensado arrasador.
      Bjus e volte sempre!

      Excluir
  10. Amei!!!!!me dá a sensação de que já vive nesta época. Chega à ser uma sensação estranha. De tão real.é fascinante ler sobre pessoas dessa época, realeza,príncipes,princesas, melhor ainda...fragrâncias que nos remete à esse tempo. Enquanto eu lia à respeito fazia ao mesmo tempo uma viagem ao passado. Blog encantador.parabéns!

    ResponderExcluir